Apresentação de enredos inesquecíveis das escolas de samba do Rio de Janeiro e de São Paulo, que, em ordem cronológica, retratam episódios da História do país, em uma abordagem didática e divertida. Com um elenco composto por 11 músicos e um historiador, o carnavalesco Sidnei França, campeão com a Águia de Ouro em 2020, e os puxadores Douglinhas Aguiar e Darlan Alves, o espetáculo multimídia com projeção de vídeo alusiva ao tema, traz muita sonoridade e compõe o cenário multicultural do evento.

Roteiro histórico-musical

  • Descobrimento do Brasil – “São Vicente, aqui começou o Brasil”, Vai-Vai, 2006. 
  • Colonização – “Mare Liberum, nas terras de Ibirapitanga”, Camisa Verde e Branco, 2000.
  • Formação do povo brasileiro – “A imagem e semelhança dos deuses: Terra Brasilis”, Águia de Ouro, 2000.
  • Tiradentes e rebeliões – “Um Voo para a liberdade”, Gaviões da Fiel, 2000.
  • Vinda da Família Real – “João e Marias”, Imperatriz Leopoldinense, 2008.
  • Independência do Brasil – “Independência ou Morte”, Vai-Vai, 1971.
  • Revolta dos Malês – “A Revolta dos Malês”, Mocidade Alegre, 1979.
  • Pedro II e República – “Cara e coroa, as duas faces de um Império”, Unidos do Peruche, 2000.
  • Abolição da Escravidão – “No centenário da Abolição Barroca novamente”, Barroca Zona Sul, 1988.
  • República – “Liberdade, liberdade, abra as asas sobre nós”, Imperatriz Leopoldinense, 1989.
  • Vargas – “Por que me orgulho de ser brasileiro?”, Nenê de Vila Matilde, 2000.
  • Migrações – “Peguei um ita no Norte”, Acadêmicos do Salgueiro, 1993.
  • Brasília e Brasil – “Aquarela brasileira”, Império Serrano, 1964.
  • Abertura política – “E por falar em saudade”, Caprichosos de Pilares, 1985.
  • Final do Século XX – “Vai-Vai Brasil”, Vai-Vai 2000.
  • Personagens – Dorival Caymmi (“A velha Bahia apresenta o centenário do poeta cancioneiro”, Águia de Ouro, 2014) / José Carlos Martins (“A música venceu, Vai-Vai, 2011) / Jorge Amado (“Amado Jorge, a história de uma raça brasileira”, Vai-Vai, 1998) / Ziraldo (“É melhor ler. O mundo colorido de um maluco genial”, Nenê de Vila Matilde, 2003) / Orlando Villas Boas {Sertanista e indianista sim, mas por que não?”, Camisa Verde e Branco, 2001) / Rolando Boldrin (“Vamos tirar o Brasil da gaveta”, Pérola Negra, 2010) / Paulo Vanzolini (“O cientista poeta”, Mocidade Alegre,1988).
  • A crítica social – “Brasil, eu quero falar de você! Que país é esse!”, Águia de Ouro, 2019.

 

Ficha técnica:

Coordenador – Carlos Bizzocchi.
Coordenador musical e intérprete – Douglinhas Aguiar
Intérpretes – Darlan Alves e Ivanzinho.
Historiador – Sidney França.
Músicos – Willian Salvador (violão 7 cordas), Jorginho (cavaquinho), Léo (repinique e tamborim), Maurinho (surdo e tantan), Mestre Juca e Aurélio Guerra (caixas) e Pelezinho Paes (pandeiro).
Técnico de som – Jairo Leodoro
Técnico de vídeo – Douglas Aguiar.

Inscreva-se aqui para participar

Leave a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado.